Edson Mari
Colunista de Marketing & Vendas

Edson Mari

Uma história Verdadeira!

Toda vez que o vendedor se deslocava para trabalhar em Caxias do Sul, visitava um empresário que tinha a fama de não comprar nada de representantes da capital.

Ao chegar à recepção da empresa, entregava seu cartão para a secretaria e com um sorriso agradável, solicitava se o empresário poderia recebê-lo ou agendá-lo. A resposta era sempre a mesma: estava em reunião, não podia atendê-lo e não gostava de marcar hora.

O consultor de vendas sabia dos benefícios que seu produto traria para esse empresário, sabia do seu potencial financeiro e da importância do seu “QI” (quem indica) e realizando uma só venda, dezenas e até centenas de portas se abririam.

Foi passando um, dois, cinco, sete, nove meses e toda semana era sempre a mesma resposta: estava em reunião ou ocupado e não agendava.

A secretaria sentia-se constrangida pela atitude de seu chefe e devolvia o cartão de visitas.

No décimo mês em nova visita, entregou seu cartão para a secretaria solicitando se o mesmo poderia atendê-lo.

Passado alguns minutos, o empresário apareceu totalmente alterado e em tom ríspido foi gritando que não estava interessado nos produtos e que não voltasse mais,  e na frente de boa parte de seus funcionários rasgou o cartão de visitas.

O consultor de vendas, mantendo uma atitude vencedora, calmamente olhou para o empresário falando em tom enérgico: que o mesmo tinha todo o direito de não recebê-lo e até solicitar que se retirasse da empresa e que não voltasse mais. Mas não tinha o direito de rasgar o seu cartão de visitas que custava R$ 1,00 cada.

O empresário, em uma atitude brusca tirou uma nota de R$ 5,00 de sua carteira jogando o dinheiro no chão.

O vendedor juntou a nota de R$ 5,00  e olhando o empresário diretamente nos olhos, externou: “que como não tinha troco iria dar mais quatro cartões de visitas”.

O empresário ficou estático e após um silêncio até constrangedor pegou os quatro cartões de visita, olhou-os e começou a rir. Os funcionários que estavam presenciando bateram palmas ficando uma situação agradável.

O empresário colocou o braço nos ombros consultor de vendas, balançou a cabeça em sinal de admiração e respeito. Pediu para a secretaria trazer uma jarra de café e que não queria ser importunado e foram para sua sala.

Ficaram quase três horas trocando idéias. A parceria com o empresário nos dias e meses subseqüentes foi incrível. Usando seu “QI” (quem indica), foram firmados centenas de parcerias.

E/T - Aproximadamente dois anos após o vendedor casou-se com sua única filha. O empresário esta orgulhoso de sua família e de seus quatro netos.

REBG
Edson Roberto Mari
Colunista de Markenting & Vendas

Aprenda Contar Histórias e Piadas - Método prático e rápido

20.09.2015

Desde a época das cavernas o homem gosta de contar histórias. Esse costume começou por um motivo simples: pessoas se interessam por histórias.Histórias e piadas com um fundo moral contadas no momento certo marcam profundamente. São grandes aliadas, ajudam a

15.09.2015

Não existe mercado sem vendas, não existe negócio sem vendedor. Não conheço um só negócio que não precise vender sua marca, seus conceitos, seus produtos ou serviços e, hoje, qualquer profissão; sejam médicos, advogados,
Uma história Verdadeira!

07.09.2015

Toda vez que o vendedor se deslocava para trabalhar em Caxias do Sul, visitava um empresário que tinha a fama de não comprar nada de representantes da capital.Ao chegar à recepção da empresa, entregava seu cartão para a secretaria e com um sorriso agrad&aacu

© Copyright 2011 - Todos os Direitos Reservados - Revista Espaço Brasil Gente
Desenvolvido por: